"Nem todos estão à vontade com a ideia de que a política é um vício. Mas é. Eles são viciados e mentem e enganam e roubam como fazem todos os junkies." - Hunter Stockton Thompson

domingo, 16 de outubro de 2011

O 15 de Outubro

Não basta empunhar cartazes ou carregar umas faixas com palavras de ordem, e brandir-se as mãos em sinal de protesto. Não é suficiente cantar músicas de intervenção ou o hino nacional. Tudo isto é muito pouco, e pacífico demais, para aqueles que nos colocaram no limiar da indigência sub-humana, um pouco à semelhança dos tempos da ditadura salazarista.

 

2 comentários:

Kaos disse...

Concordo que não basta protestar mas também entrar em conflitos mas meia dúzia de manifestantes, impreparados, contra forças organizadas e armadas é um suicídio. Só quando há a força de um povo se pode fazer uma revolução violenta. Até lá há a revolta pacifica com ocupação do espaço público que pode funcionar quando muitos milhares o fizerem e ficarem. Há ainda o carácter internacional que possibilita que um contagio quando em algum local se conseguir furar o sistema. Importante é lutar e não vacilar nem desistir
um abraço
Kaos

Vox disse...

Entrar em conflito directo com a polícia seria pouco inteligente... Há que continuar a lutar, há outras formas de luta, resistindo. Recusando estas medidas de austeridade, dizendo não aquilo que nos é imposto! Tem é de haver união, coesão, solidariedade... Depois, o factor sorte é importante. Saber esperar por um rastilho que se acende e se propaga por essa Europa (quase)em submissão e revoltada com as injustiças sociais e políticas. Não há que ter piedade destes ladrões!

Abraço